terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Daquelas cenas

Meu querido mundo,
hoje venho por este meio expressar a minha revolta com cenas bastante pontuais mas que não deixam de me tirar do sério, com o intuito de me aliviar delas.
Assim sendo, seguem em listagem, tal qual lista de compras para permitir uma mais fácil análise da vossa parte.

1. Odeio que mexam nas minhas coisas... principalmente quando as partem ou destituem de forma coerente.
2. Odeio ser feita de burra. Se há coisa que não sou é burra e há muita coisa que eu compreendo intuitivamente mesmo que a minha racionalidade teime em dizer que isso é parvo.
3. Odeio não conseguir aceitar aquilo que tenho como vida para mim nomeadamente a vivência tal qual faixa de Gaza lá em casa. E se rima é porque é verdade.
4. Odeio que as pessoas pensem no futuro como derrota assumida e vivam livremente com isso aceitando essa sensação de inevitabilidade como algo perfeitamente normal. Não. Lamento. Tudo pode tomar um rumo diferente se à partida não se assumir essa mesma situação como derrota ou inevitável. Por enquanto, só não há solução para uma coisa... Tudo depende da motivação das pessoas.
5. Odeio pensamentos básicos nomeadamente o isolamento de beleza daquilo que a tem, porquê desprover a realidade daquilo que mais belo existe?
6. Odeio a hipocrisia que nos envolve. Odeio o bater no peito e dizer que não faço e não aconteço ou o "não faria" ou o "credo nunca na vida faria isso e as pessoas que fazem sao horriveis e sem educação" e na verdade são as que fazem pior.
7. Odeio a sensação de urgência e da falta de aceitação daquilo que é natural ser natural.
8. Odeio a necessidade de previsão do futuro por parte dos engenheiros que advogam que isso é ciência exotérica quando afinal a necessidade de cenários de futuro é tão grande que não se preocupam em fazer nada mais do que essa mera previsão ficando a acção local e diária preterida em função desses possíveis cenários de futuro. Afinal de contas não fazemos mais do que os astrólogos que procuram nas estrelas as razões para estarmos aqui...
9. Odeio a necessidade de ser sempre eu, o meu cérebro e a minha pessoa a lidar com situações complexas e complicadas. Eu sei que tenho costinhas largas... sei sim senhor. Mas se for preciso começar a fazer dieta só para evitar acartar com tanta coisa nas minhas costas é na boa.. começo já hoje.
10. Odeio sentir-me assim mas é inevitável.

11. Já passou.

2 comentários:

  1. Oh mulher! Vai dançar!
    A gente não odeia nada, porque é um ENORME desperdício de energia e hoje em dia não se pode desperdiçar nada.
    Resolves o que podes resolver e o que não podes resolver também não sofres com isso.
    A tua obrigação é ser feliz.

    Beijo grande,
    Ana

    ResponderEliminar